[ editar artigo]

Gestão financeira no mercado veterinário: 7 dicas para clínicas e pet shops

Gestão financeira no mercado veterinário: 7 dicas para clínicas e pet shops

Eis uma verdade óbvia que sempre merece ser ressaltada: um controle rígido das finanças é essencial não apenas para a estabilidade, mas também para a própria sobrevivência da sua clínica ou pet shop. Nesse sentido, uma das principais dúvidas dos profissionais que se lançam no empreendedorismo é: como garantir uma boa gestão financeira no mercado veterinário? 

 

A essa altura, é importante lembrar que conferir o saldo e aumentar a lucratividade não são ações suficientes para garantir o sucesso econômico do seu negócio. Como sabemos da importância de disseminar o conhecimento de gestão para médicos veterinários (uma vez que as universidades acabam falhando nesse quesito), reunimos 7 dicas indispensáveis para te ajudar a colocar ordem nas finanças da sua clínica veterinária ou pet shop. 

 

7 dicas valiosas de gestão financeira no mercado veterinário 

 

1. Separe as contas pessoais das contas da empresa 

Esta é uma dica básica, porém absolutamente fundamental. Embora possa parecer óbvia para muitos empreendedores com mais experiência, é um erro comum de quem está na fase inicial do negócio: não misture suas finanças pessoais com as finanças da sua clínica ou pet shop. 

 

Essa é uma regra da gestão financeira no mercado veterinário que realmente deve ser seguida “a ferro e fogo”. Lembre-se: o negócio é uma coisa e o empresário é outra. Sem limites definidos entre essas duas esferas, as finanças da casa e da empresa tendem a ficar desorganizadas. 

 

O ideal, aqui, é definir um valor fixo de retirada dos rendimentos da clínica ou pet shop e pagar-se um “salário” para as contas pessoais todos os meses. Esse valor deve ser registrado como despesa mensal da clínica ou pet shop. 

 

2. Saiba, na ponta do lápis, quais são os gastos fixos 

Ter noção exata dos gastos fixos do negócio (ou seja, que devem ser pagos todos os meses) é outro cuidado fundamental. Sem esse conhecimento, inclusive, é impossível determinar o valor mínimo de faturamento. 

 

Vale lembrar: se as despesas fixas não forem pagas, a clínica veterinária ou pet shop vai operar no negativo. Tenha uma planilha organizada com a listagem e o controle de todos esses valores. 

 

Como exemplos de gastos fixos, temos: 

 

  • aluguel do espaço;

  • pagamento dos funcionários;

  • conta de luz;

  • conta de água;

  • internet;

  • conta de telefone e celulares. 

 

3. Registre todos os movimentos financeiros: a importância do fluxo de caixa

Nem só de custos fixos vive o negócio. Há, ainda, os gastos inesperados ou flutuantes, como um documento que precisa ser transportado por um motoboy ou o conserto de um equipamento ou lâmpada. 

 

Tenha em mente que nenhum gasto, por menor que seja, pode ser negligenciado. É preciso registrar toda e qualquer despesa, assim como os recebimentos. Nesse sentido, insere-se a importância do fluxo de caixa, uma ferramenta-chave para o controle financeiro de toda empresa. 

 

Vale destacar que o fluxo de caixa nada mais é do que o registro rigoroso de todas as entradas e saídas de dinheiro da clínica veterinária ou pet shop. As despesas de rotina, assim como as vendas e os atendimentos, precisam ser devidamente anotadas. 

 

Com esse controle, você saberá exatamente o estado das contas no negócio. Afinal, só se pode ter real controle sobre aquilo que se conhece. Organize as receitas e os gastos em planilhas próprias, possibilitando a visão do todo. Dessa forma, você poderá identificar os valores que afetam os resultados da clínica ou pet shop. 

 

Saiba Mais: Guia de Marketing Veterinário: potencialize os resultados da sua clínica 

 

4. Faça um planejamento financeiro de curto, médio e longo prazo 

Não se engane: o planejamento financeiro é importante mesmo se a sua clínica veterinária ou pet shop for um negócio de pequeno porte. Com a organização e o registro das contas, o gestor ganha a possibilidade de fazer uma previsão do seu fluxo de caixa para o próximo mês, semestre ou ano, conseguindo analisar a lucratividade e o que pode ser feito para melhorar os resultados. 

 

É interessante destacar, ainda, que um correto controle financeiro também permite colocar no papel os objetivos da empresa, planejar novos investimentos e implementar novidades e serviços que possam aumentar o fluxo de clientes. 

 

5. Invista em um bom controle de estoque  

Em se tratando da gestão financeira no mercado veterinário, não há como falar de controle nas contas sem considerar um controle eficiente de estoque. Afinal, de nada vale fazer grandes compras de mercadorias se você não as vende. Por outro lado, uma empresa que não faz o acompanhamento do seu inventário perde a chance de fazer vendas por não dispor dos produtos que os clientes precisam. 

 

Nesse contexto, ter a noção exata da quantidade de itens armazenados e dos artigos que mais têm saída possibilita que você, como gestor, seja mais preciso e assertivo para tomar decisões de abastecimento e de estratégias de venda, como nas promoções de ponta de estoque. 

 

Assim como acontece com o fluxo de caixa, mantenha um levantamento atualizado e detalhado dos produtos estocados (hoje, existem softwares especializados para o segmento veterinário que otimizam a tarefa). Investir nesse acompanhamento permite que você não imobilize seu capital desnecessariamente, o que libera recursos para investir em outras frentes na clínica ou pet shop. 

 

Lembre-se, ainda, de sempre observar o prazo de validade das mercadorias (tanto daquelas que estão à venda quanto das armazenadas). Por fim, vale ressaltar que negligenciar o controle de estoque é um grave erro - além de comprometer seriamente as finanças, falhar nesse aspecto pode acarretar perda de clientes, manchas na sua reputação e mesmo multas. 

 

6. Analise despesas e corte custos 

Com a realização de um bom fluxo de caixa e de todas as orientações acima, você vai adquirir controle financeiro o suficiente para pensar na economia do negócio - e, de maneira estratégica, cortar custos desnecessários. 

 

Observando todas as entradas e saídas e a visão global dos seus gastos, confira custo por custo, avaliando quais podem ser eliminados e quais podem ser reduzidos. 

 

Uma estratégia interessante, aqui, é ter como foco o seu principal produto/serviço/diferencial, averiguando se as despesas realmente contribuem para seu desenvolvimento. Então, busque cortar os gastos acessórios e de atividades que não colaboram diretamente para o sucesso do negócio. 

 

Vale lembrar: a análise para cortar/reduzir custos é importante tanto se seu negócio estiver desequilibrado (ou mesmo operando no negativo) ou se ele estiver com saldo azul. Ao economizar, afinal, você consegue maximizar os lucros. 

 

7. Considere contar com tecnologia e ajuda especializada 

Não adianta: ser um “profissional polvo” que cuida das consultas, dos atendimentos, da gestão de pessoas e também de todo o controle financeiro não é uma realidade sustentável. Basta alguns dias para ver que isso não funciona muito bem na prática, principalmente se o negócio (que bom!) estiver prosperando.

 

O resultado, muitas vezes, é um profissional sobrecarregado, acúmulo de tarefas e - o pior - desequilíbrio e descontrole nas contas. Sabemos que o começo de todo empreendedor é desafiador - mas o investimento em softwares especializados no segmento ou em profissionais da área (como contadores) realmente vale a pena. 

 

Estamos falando, afinal, do crescimento e da estabilidade da sua clínica veterinária ou pet shop. 

 

Vamos lá? 

Comunidade Vetsign
James Koji
James Koji Seguir

Meu nome é James Koji e minha missão, no mercado Pet, é transformar empresas tradicionais em líderes digitais. Para que essa mudança ocorra, é necessário modificar processos, modelos de negócios e a experiência dos clientes.

Ler matéria completa
Indicados para você